Nem tão distintos: Renato e Zidane brilham no comando com vestiário na mão
Preço médio da gasolina fica praticamente estável na semana, acima de R$ 4 por litro, diz ANP
Volkswagen Polo 1.6 x Fiat Argo 1.3: comparativo
Maranhão possui maior proporção de pessoas em condições de pobreza extrema, segundo IBGE

Sobre Caatinga e Caatingueiros Parte 1/6

Sobre Caatinga e Caatingueiros Parte 2/6

Sobre Caatinga e Caatingueiros Parte 3/6

Sobre Caatinga e Caatingueiros Parte 4/6

Sobre Caatinga e Caatingueiros Parte 5/6

Sobre Caatinga e Caatingueiros Parte 6/6
TRAIDORES DO BRASIL, INIMIGOS DA NAÇÃO BRASILEIRA
Esmeraldo Lopes


Raros brasileiros sabem, mas fomos todos apunhalados por Deputados Federais e Senadores eleitos por nós para serem a voz, a guarda e os ordenadores de nossa nação. Encastelados na Câmara e no Senado Federal, PT, PSDB, PCdoB, PSD, PSB, PRB, PDT, PTN, PPS, PSOL e REDE (fora disso apenas o DEM o SOLIDARIEDADE e alguns parlamentares isolados), irmanaram-se e se conluiaram com entidades e supostas personalidades cuja marca principal é o pensamento vazio, abstrato, descomprometido com a situação concreta em que vive nossa gente e amarram seus discursos na estaca de um humanitarismo relaxado, sem fronteira, irresponsável, descomprometido com a realidade do povo brasileiro. E nesta irmandade e neste conluio, em silêncio de cochicho de boca pequena tramaram contra nós povo brasileiro. Tramaram e consolidaram ato de grande traição ao gravarem e aprovarem o Projeto de Lei de Migração. Esse Projeto proclama o Brasil como terra de ninguém e transforma o seu povo em nada. Decreta que o povo brasileiro deve se sujeitar a abrir sorriso a quem quer que pise em nosso chão, e que aqueles brasileiros que se recusarem a tal devem ser tratados no rigor da Lei e condenados por crime de xenofobia e racismo. Isso é a internacionalização do Brasil, a nossa transformação em povo pária em sua própria terra, e a nossa terra em capacho do mundo.

O Projeto de Lei de Migração nos deixa ao vento dos despatriados, abole nossas fronteiras e diz que devemos aceitar obrigatoriamente qualquer estranho que no Brasil adentre, tomando-o como portador de direitos iguais a nós, ou seja, como um brasileiro, com livre acesso a serviços na área de saúde, educação, previdência, aos benefícios das políticas públicas de moradia e benefícios sociais; direito a exercer função pública e se inscrever em concurso nos órgãos do governamentais; direito a filiação sindical, partidária e participar de manifestações políticas definindo os rumos do Brasil. Isso significa que basta um estrangeiro adentrar o território brasileiro para que seja categoriza como igual a qualquer brasileiro.

Os parlamentares que elegemos nos fizeram isso. E fizeram isso em silêncio, em nome do humanitarismo, de tomada de posição progressista, do desenvolvimento econômico ou simplesmente por puro pouco caso. Quem os critica é taxado como fascista, xenófobo, abjeto. É a forma que encontram para esconder seu odiento, repugnável e imperdoável ato de traição. E a imprensa, onde estava? Por que não nos avisou? Por que não alardeou a existência de tão desgraçado Projeto? Não temos ninguém. Estamos sós. Os nossos parlamentares traem, a imprensa cala e nós, brasileiros, ficamos ao leu. Mas é preciso que tomemos uma posição. Coloquemos em seu devido lugar os traidores, os apoiadores dos traidores. Façamos autocrítica a respeito de nossas escolhas eleitorais. E, lutemos sem limite para nos auto-preservar, sem temer o uso de meios quaisquer que sejam. É assim que se faz e se mantém uma pátria. >

08/05/17

Voltar
escort bayan
Júpiter.com.br - Esmeraldo Lopes - Todos os direitos reservados