Nem tão distintos: Renato e Zidane brilham no comando com vestiário na mão
Preço médio da gasolina fica praticamente estável na semana, acima de R$ 4 por litro, diz ANP
Volkswagen Polo 1.6 x Fiat Argo 1.3: comparativo
Maranhão possui maior proporção de pessoas em condições de pobreza extrema, segundo IBGE

Sobre Caatinga e Caatingueiros Parte 1/6

Sobre Caatinga e Caatingueiros Parte 2/6

Sobre Caatinga e Caatingueiros Parte 3/6

Sobre Caatinga e Caatingueiros Parte 4/6

Sobre Caatinga e Caatingueiros Parte 5/6

Sobre Caatinga e Caatingueiros Parte 6/6
PANACEIA
Esmeraldo Lopes

Esmeraldo Lopes

Uma roda de gente com atenção curiosa pregada em um sujeito. O sujeito, no centro dela, circulando em torno de uma mala, exaltado, gesticulando, jogando olhar fulminante sobre os olhos de seus ouvintes-observadores. Estes, acompanhando o movimento imóveis, esforçando-se para não perderem um gesto, uma palavra, um movimento. E o sujeito escumando convicção, expõe e oferece o produto a preço de miúdo, enquanto proclama com voz de som ritmado suas propriedades benfazejas: “Cura mordida de surucucu, de jararaca, de cascavel, de cachorro doido, levanta espinhela caída, desentorta língua de mulher faladeira, faz alegrar moça triste e entusiasma preguiçoso pra trabalhar. Desentope intestino preso, desata nó de tripa. Quem toma esse remédio tem todo mal curado, porque ele é ‘que nem Deus por a mão’. Olhe aqui, também tenho rapa de xibio de raposa, serve pra desentortar coluna, curar gripe, pra animar homem com tristeza no meio das pernas. É tomando e a alegria chegando”. E começa a contar histórias comprobatórias da eficácia do produto em oferecimento. Para mal do corpo, oferecimento de beberagem, comprimido, casca ou raiz de pau, couro de bicho do mato... Para fechamento de corpo contra faca, contra bala, para proteção contra mal vindo de mau olhado, de feitiço, de inveja, de praga, de aporrinhamento de espírito rúim, do coisa rúim, para curar safadeza de  homem raparigueiro, o oferecimento de patuá, de água benta benzida por padre de reza forte. No emendado do bafô da conversa-ladainha, emenda o assunto que vinha falando com o atendimento de freguês, pergunta o problema, faz comentário, recebe o dinheiro, passa troco, entrega o produto, solta pilhéria, reinicia a propagandeação. E, no decorrer de horas, a roda se mantém em cara inalterada, mas modificada a cada momento pelo entra e sai de gente chegando, de gente saindo. Isso no sempre do existir nas feiras ou em algum lugar de alguma rua, no tempo em que havia feira, ou até hoje, nos lugares onde se junta o resto de gente carregada pelos costumes sobreviventes do tempo em que existiam feiras.

As feiras se acabaram. Não eram aglomerados de gente vendendo e comprando coisas. Eram eventos social, cultural e comercial. Seus participantes faziam parte do mesmo universo. Acompanheiravam-se pela companhia dos mesmos dilemas, desesperos, sofrimentos, prazeres, das mesmas alegrias, satisfações, esperanças, dores. O vendedor de panaceia sabia que seus produtos eram uma farsa, mas sabia também que acalentava o desespero, enchia de esperança os que viviam pelo viver alimentado pela fé. Da fé, filha da solidão, do desamparo, do receio de ruína, da falta de sentido do mundo. Mas ele, o vendedor de panacéia, também partilha dessa fé, por isso, embora farsante, não era impostor. Os compradores de panaceia botavam pouca fé no que se lhes ofereciam, mas era um recurso, conheciam histórias que afirmavam a vera de certos produtos assim, conheciam a força de rezas e, no muito, era com o que se providenciavam nas necessidades do corpo e da alma. No mais, ainda levavam, de graça, nos ouvidos, o som das palavras convictas do vendedor de panaceia e assunto de conversa para o enchimento dos tempos vazios de assunto.

Supermercados, shopping centers, lojas de departamento, ocuparam os espaços das cidades. As feiras de verdade, seus agentes, perderam assento, minguaram nos cantos. Novas panacéias surgiram. Muitas surgiram sofisticadas. Algumas na forma de objeto, banhadas em ouro-tambaque, arquitetadas em laboratórios pelo apurado de técnicas, de conhecimento “científico”, colorindo a vida, o mundo, pelo disfarce de mentira-simulacro estampadas em produtos-panacéia, em suas embalagens; outras, no formato de conceitos, emprenhados por intelectuais das metrópoles e macaqueados e disseminados no Brasil por “intelectuais” inférteis, a partir do terreno estéril de academias-colônia.

As panacéias-conceito, matérias-prima de charlatões engalanados com assento na proa de universidades, de meios de comunicação, de partidos políticos, de movimentos sociais, recebendo a denominação de professores, de líderes, políticos, publicitários, jornalistas, cientistas... Esse tipo de vendedor de panaceia se põe a falar pelo medido de palavras calculadas, através de rádios, de jornais, de televisões ou em congressos e seminários, sempre propalando a panacéia-conceito na moda. E a panacéia-conceito na moda, agora, educação. A educação resolve tudo. Resolve problema de trânsito, de violência, de saúde, de alimentação, de higiene... E no que a constatação de que escolarizados, estudantes, capengam no básico das letras, das contas, no desempenho intelectual, os vendedores da panaceia educação assaltam os cofres públicos empurrando cursos de qualificação, de aperfeiçoamento em professores, propõem e organizam seminários, congressos, palestras. E se armam com teorias empacotadoras de realidades, disseminam métodos salvacionistas, saem escumando palavras a que dão caráter mágico: fazeres, saberes, tradicionalidades, facilitador, interatividade, diversidade, etnicidade, protagonistas, subjetividade, construção, identidades... E pronunciam essas palavras com suavidade melindrosa, treiteira, capciosa. Apropriam-se de trabalhos que adquiriram êxitos, mas desenvolvidos à revelia deles, para depois de os embalarem nas cores das teorias, das metodologias que vomitam, disseminarem mundo afora. E ficam zoando em torno do conceito de educação, como mosca ao redor de ponto de fedor sem excremento. Atentos à elevação da própria renda, embarcam sem crítica e de bom grado em todo projeto que o governo lança, desenvolvem o teatrinho e, no seguir, quando os resultados aparecem murchos, desresponsabilizam-se, culpando o governo, ou o sistema, ou os “protagonistas”, ou procuram justificativa exaltando casos pífios, isolados. Como são especialistas em salivar verbo, fazem exposição e escrevem relatórios sobre os trabalhos que desenvolveram apresentado uma situação inteiramente diferente da que transcorreu, do resultado real, recheando-os com fotos de situações montadas, com gráficos, com citação de frase de pensadores famosos, com exemplos maximizados a respeitos de ocorrências mínimas. Para maximizar as ocorrências mínimas, tiram de seus arsenais de verborragia a palavra avanço. E, como mote, do início ao fim da fala ou do escrito, usam a expressão educação de qualidade. Mestres em articulação, estão sempre a rebeirar os círculos de algum centro de poder, sempre se propondo a desenvolver projetos, distribuindo gentilezas, soltando simpatias, fugindo de confrontos. Ao contrário do vendedor de panaceia nas feiras, os vendedores de panaceia-conceito, de panaceia educação, não partilham dos mesmos dilemas, problemas, esperanças e sonhos daqueles a quem dirigem suas ações, não acreditam no que dizem, não se responsabilizam pelo que fazem. Têm como objetivo primeiro, segundo e terceiro, ganhar dinheiro. Por isso digo: pelo dito, pelo muito que não foi dito, este tipo de vendedor de panaceia nasce na farsa e sobrevive pela prática de impostura.

17/08-14

Voltar | Enviar por e-mail
escort bayan
Júpiter.com.br - Esmeraldo Lopes - Todos os direitos reservados